Notícias

Em São Paulo, evangelicos vaiam Lula na Marcha para Jesus

A menção ao nome do presidente Lula (PT) gerou uma vaia coletiva na Marcha para Jesus, que acontece nesta quinta-feira (8), em São Paulo. O petista não estava lá, mas foi representado por seu ministro da AGU (Advocacia-Geral da União), Jorge Messias.
Ele foi apresentado pelo apóstolo Estevam Hernandes, idealizador do que chama de “ato profético”, como diácono da Igreja Batista. A também evangélica Benedita da Silva, deputada do PT, também estava no palco.
Mais cedo, à Folha de S.Paulo, o apóstolo disse acreditar que, se Lula viesse, seria recebido “com carinho”. Afirmou ainda que até poderia haver algum protesto, mas nada grande. E se houvesse ele instruiria o público a orar por autoridades constituídas, como manda a Bíblia.
Lula enviou uma carta a Hernandes para avisar que não iria, mas exaltando a “extraordinária expressão de fé” da Marcha. O líder evangélico, que em 2018 e 2022 apoiou Jair Bolsonaro (PL), gostou da iniciativa.
Messias só foi vaiado ao dizer que levava um recado em nome do presidente. Antes, a recepção havia sido mais calorosa.LEIA TAMBÉM:+ Gagliasso critica Lula por não evitar desmonte no ambiente+ Lula ressalta a importância da COP 30 ser em Belém+ Lula destaca evento em Belém para secretário da ONU
Ele começou sua fala ao “povo de Deus” explicando que vinha em “missão de paz”. Citou um versículo da Bíblia que a mãe lhe recomendou, João 3:16: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho único para que todo aquele que crê não perece, mas tenha a vida eterna”.
Continuou a prosa religiosa dizendo que “vivemos pro Reino, não pra este mundo, e é isso que nos diferencia”.
Foi então que trouxe uma mensagem de Lula. “Vim aqui dizer pra vocês, a pedido do presidente, dizer que em Brasília existem homens e mulheres que vivem pro Reino.”
E mais: “Estamos lá levantados por Deus pra cumprir um propósito”.
Ao falar de novo sobre o presidente, a vaia engrossou. Hernandes, então, interveio. O apóstolo pediu para que todos orassem pelas autoridades constituídas na nação. E Messias encerrou o discurso.
A bispa Sônia Hernandes suplicou, na sequência, para que todos orassem para o político. “Queremos um governo bom na nossa terra, queremos autoridades abençoada”, disse a bispa.
Messias reconheceu, na saída do evento, que nas igrejas persiste uma resistência à esquerda e ao PT. “Há ainda uma parte dos evangélicos distante de nós, mas a gente só consegue superar tudo isso vindo, se colocando à disposição do povo, conversando”, disse à reportagem. Agora, afirmou, “é insistir”.
“Viemos com o coração aberto. Estamos dispostos a construir um novo tempo, porque o nosso povo precisa de paz.”

Fonte: Diário do Pará 

Deixe aqui seu comentário

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Acessibilidade